sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Nova Honda Cub - Quase a chegar....

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Yamaha Majesty S 125

Sym Cruisym 300

domingo, 1 de julho de 2018

Honda Super Cub C125 - O regresso


A primeira Super Cub, a C100, foi apresentada em 1958, no 10º ano de existência da Honda. 
Desenhado pelo próprio Soichiro Honda e pelo seu companheiro de longa data Takeo Fujisawa, a Super Cub pretendia ser um veículo simples e objetivo, que "pudesse trazer alegria e utilidade às vidas das pessoas".

Em 2017, quase 60 anos depois, a Honda fabricou a Super Cub nº 100 milhões, tornando-se no veículo de duas rodas mais vendido em todo o mundo. 



Até agora, o mais recente modelo – a Super Cub C110 – só estava disponível no Japão, onde é muito popular entre os utilizadores executivos, incluindo os correios japoneses, e nos países do sudoeste do continente asiático, onde é usado como meio privado de transporte da maioria das pessoas.
Consciente de todo um conjunto de utilizadores urbanos – mais jovens e também mais maduros – que procuram um veículo de duas rodas de inspiração retro, possuidor de uma verdadeira credibilidade e  de um estilo marcante, a Honda revela agora a Super Cub C125, uma evolução do lendário modelo e o capítulo seguinte na sua já longa história.

Nas palavras de Tadamasa Maeda, Líder do projeto da Super Cub C125: "Conhecemos o nosso cliente-tipo, homem ou mulher e sabemos que o estilo é um aspeto levado muito a sério, pelo que a nossa nova Super Cub C125 vem enriquecer a vida desses clientes. O seu design intemporal tem uma expressão de valor e universalidade e juntámos a isso um novo nível de performance ao motor e melhorámos as capacidades de condução do quadro e da ciclística. Tal como sucedeu com o nosso fundador, a nossa maior alegria é ter um impacto positivo na vida do dia-a-dia – e também colocar um enorme sorriso nos lábios de todos os que usam a Super Cub nas suas vidas."



Apesar da aparência não se desviar muito do "look" clássico, o aumento dos parâmetros do motor de 125 cm³ – potência e binário – mantém a Super Cub sempre à frente do trânsito das cidades; a sua embraiagem centrífuga automática também foi atualizada para complementar o aumento de potência e oferecer mudanças silenciosas e ultra-suaves. 

A Super Cub 125 foi concebida segundo um conceito de uma só palavra: universalidade. Por outras palavras, este teria de ser um modelo fácil de usar para um enorme leque de pessoas. Uma parte deste carácter é a silhueta tipo "S" inclinada para a frente, que ocupa todo o espaço de entrada na scooter até ao guarda-lamas traseiro, facilitando as entradas e as saídas do condutor.



Um dos elementos-chave desde o primeiro modelo Super Cub é a "unidade" de direção, que unifica os elementos separados – forquilha, guiador e proteções para as pernas – numa única unidade coesa. 
No modelo original, o guiador, com formato a fazer lembrar as asas de uma ave, era um ponto de venda evidente e forte; agora, na Super Cub C125 – construído em aço forjado e com diâmetro variável, curvatura em resina moldada e incorporando interruptores e instrumentos – este elemento continua a refletir aquele motivo.

Os punhos estão colocados em posição natural e fácil de agarrar e complementam a posição de condução a direito, com uma excelente visibilidade para a frente e a toda a volta. Sempre com intenção de melhorar o conforto, o banco usa espuma de uretano mais espessa e de elevada densidade do que a C110.

Todas as luzes são de tecnologia Led e os instrumentos destacam a profundidade do design geral, com um mostrador de dois anéis cromados; o anel exterior recebe toda a escala do ponteiro do velocímetro analógico e as luzes avisadoras, e o anel interior recebe o mostrador digital minimalista. 



Um toque moderno do equipamento é o comando Smart Key; basta colocá-lo no bolso e arrancar com a Super Cub. A Smart Key também comanda a imobilizador e representa um dispositivo extra anti-roubo, e está equipado com a função ‘answer-back’ que acende os piscas quando se pressiona o respetivo botão do comando, localizando facilmente a sua moto no meio de outras. 
E, numa referência aos seus antepassados (e sublinhando a sua história Honda), o comando da Smart Key possui um logótipo de estilo antigo "Old Wing". 

O desenvolvimento da Super Cub C125 começou tendo como base o quadro monotrave tubular em aço da C110. O equilíbrio da rigidez na zona da coluna da direção e dos pendurais do motor foi melhorado, para otimizar a capacidade de alojamento do motor de maior cilindrada; o guiador e o banco estão agora montados em apoios de borracha. Os poisa-pés também apresentam inserções de borracha.



Simples, robusto, fiável, económico; isto resume o motor da Super Cub C125. A unidade SOHC de 125 cm³ arrefecida por ar tem cabeça de duas válvulas e sistema de injeção de combustível e foi melhorada em termos cosméticos com um acabamento metalizado de tom mate e diversos componentes cromados que lhe dão um mais aspeto "premium".  

O ruído do motor é mantido no mínimo graças à utilização de carretos primários helicoidais e moentes de biela com bronzes de alta precisão. Os rolamentos do tambor das mudanças melhoram as capacidades em engrenar as relações da caixa, o braço das mudanças tem inserções de borracha (que também ajudam a baixar o ruído) e o amortecedor da embraiagem foi otimizado também com inserções de borracha para reduzir o choque das mudanças.

O pico de potência máximo de 10 cv aparece às 7,500rpm e o binário de 10,4 Nm surge às 5.000 rpm.  

A forquilha da suspensão dianteira tem curso de 100 mm e a suspensão traseira de duplo amortecedor tem 84 mm de deslocamento do eixo (mais 10 e 19 mm, respetivamente, do que na C110), absorvendo as irregularidades da estrada de forma irrepreensível, enquanto as jantes de 17 polegadas em alumínio fundido aumentam a estabilidade e a precisão da direção. 

Os pneus são tubeless (sem câmara-de-ar) e têm tamanho de 70-90-17 à frente e 80-90-17 atrás. 



O travão dianteiro tem um disco de 220mm e pinça de um só êmbolo, complementado por um travão traseiro de tambor de 130mm.

O peso em ordem de marcha é de 109kg e os consumos da Super Cub C125 são de 66,7km/l (1,5 l/100 km em modo WMTC) para uma autonomia de cerca de 245km por cada depósito de 3,7 litros.



Quanto a cores, estão disponíveis as seguintes opções:

- Azul Pérola Niltava

- Vermelho Pérola Nebula

Especificações Técnicas
Motor - 4 tempos, SOHC, 2 válvulas, refrigerado por ar;
Cilindrada - 125 cc,
Potência máxima - 10 cv às 7.500 rpm;
Binário máximo - 10,4 Nm às 5.000 rpm;
Alimentação - Injeção eletrónica PGM-FI;
Transmissão - Caixa de 4 velocidades,
Quadro - Monotrave em aço;
Dimensões (C x L x A)
Comprimento - 1.915 mm;
Largura - 720 mm;
Altura - 1.000 mm;
Distância entre eixos - 1.245 mm;
Altura do assento - 780 mm;
Altura ao solo - 125 mm;
Suspensão
Dianteira - Forquilha telescópica (curso de 26 mm);
Traseira - Duplo amortecedor;
Pneus
Dianteiro - 70/90-17M/C 48P;
Traseiro - 80/90-17M/C 50P;
Travões
Dianteiro - Um disco de 220 mm;
Traseiro - Tambor de 130 mm
Capacidade do depósito de combustível - 3,7 litros;
Peso (em ordem de marcha) - 109 kg.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Honda Forza 125 de 2018


A Honda Forza 125 foi concebida especificamente para o exigente cliente europeu, que prefere uma scooter da qual possa retirar o máximo partido em termos de condução, estilo, presença, performances e especificações.



E, desde a sua introdução em 2015, a Forza tem excedido todas as expectativas, evoluindo ano após ano graças ao feedback dos clientes e já contando com mais de 30.000 unidades vendidas até à data.


As especificações de série da Forza 125 são muito completas, misturando uma agilidade trânsito com dimensões muito compactas – numa agilidade abrangente que permite viagens mais longas nas vias rápidas para as deslocações casa-trabalho-casa, também graças às performances do seu motor, à excelente proteção contra o vento, combinando o conforto de uma scooter GT (Grand Touring) com uma atitude mais desportiva e uma maneabilidade muito ágil, oferecendo bastante espaço de arrumação, uma diversidade de detalhes premium e inovação tecnológica.

As linhas de design da Forza têm uma grande quota-parte do sucesso deste modelo, desde o seu lançamento no ano de 2015. 
Agora para 2018, este modelo foi substancialmente redesenhado. Apesar de as linhas de design continuarem a ser arrojadas e inconfundivelmente pertencerem à Forza 125, cada painel foi revisto no sentido de dar à scooter uma aparência ligeiramente mais suave e mais madura, com uma frente que se sente mais robusta e linhas de design ligeiramente mais suaves. Outros pontos de realce do novo "look", são os pontos de assinatura pretos da frente e das carenagens laterais, para além do carácter desportivo mais acentuado.


Mas este modelo conta também com novas adições nesta renovação. O nível das especificações e dos equipamentos atinge um outro nível mais elevado: o novo pára-brisas eléctrico permite uma regulação ininterrupta com protecção contra o vento e uma visão desimpedida para frente; o novo painel de instrumentos apresenta todas as informações em formato digital, como complemento dos mostradores analógicos. 


Os piscas de direcção são de LEDs, o espaço por baixo do banco aumentou 5,5 litros e a Smart Key também permite abrir e fechar a top case opcional de 45 litros.

A juntar a toda a estética muito atraente da Forza, temos também um novo nível de sofisticação. Originalmente concebida pelo mesmo estilista responsável pela excelente NM4 Vultus, as suas linhas mantêm-se arrojadas e cativantes, mas agora oferecem uma atração ainda mais moderna, se bem que ligeiramente mais suave e mais madura.


O design renovado e fluido da Forza 125 começa logo no novo para-brisas eléctrico, que oferece 140 mm de regulação, oferecendo excelente protecção contra o vento (os fluxos aerodinâmicos passam à volta e por cima da cabeça do condutor) reduzindo ao mesmo tempo o ruído do vento. 
Este sistema permite alterar instantaneamente a posição do pára-brisas para maior estabilidade e conforto na condução a alta velocidade – e para grandes distâncias. 
Na posição mais baixa, o pára-brisas oferece uma maior liberdade e, basta acionar o interruptor no punho esquerdo para o mover ao longo do seu curso de 140 mm.

O espaço debaixo do banco, que viu o espaço de carga aumentado de 48 litros para 53,5 tem capacidade para dois capacetes integrais e pode ser dividido para levar um só capacete e/ou o equipamento de chuva e pastas de tamanho A4. 
O compartimento da carenagem, à frente do lado esquerdo, tem tampa com tranca e o seu espaço pode ser arranjado segundo as conveniências do condutor. Também podemos encontrar aqui uma tomada de 12 V para acessórios.

O sistema Smart Key da Forza 125 – para além de controlar o botão da ignição e o fecho do compartimento – agora também comanda a top case opcional amovível de 45 litros, uma novidade numa scooter Honda. 
Com a Smart Key no bolso do condutor, a top case tranca automaticamente quando o condutor se afasta. A top case também pode ser trancada com a chave.  


O painel de instrumentos foi revisto e possui um velocímetro e um conta-rotações, ambos analógicos, flanqueando o mostrador digital com 3 modos de funcionamento (controlado por um interruptor no punho esquerdo): conta-quilómetros totalizador, autonomia restante e consumo atual; conta-quilómetros parcial, consumo médio e cronómetro; ou temperatura ambiente e sensor da bateria.

Os principais ingredientes do sucesso da Forza 125 não foram alterados para 2018: um motor de 4 válvulas, que combina performances líderes-da-classe e uma autonomia de 490 km por cada depósito de combustível, um chassis de baixo peso, que equilibra estabilidade a alta velocidade e capacidades de manobra em cidade e especificações muito completas, que incluem luzes de LEDs, sistema de chave Smart Key, capacidade para arrumar dois capacetes e conforto envolvente e abrangente para dois.


A Forza 125 acelera muito forte, fazendo apenas 13,4 s dos 0 aos 200 m; as respostas a média rotação são excelentes, com excelente ação às acelerações na gama de velocidades típica de uma utilização em cidade (40-60 km). Sem grande esforço, a Forza é capaz de uma velocidade de cruzeiro na ordem dos 90 km/h, para uma velocidade máxima de 108 km/h.

O sistema Idling Stop pára automaticamente o motor após três segundos de funcionamento ao ralenti com a scooter parada e os travões aplicados; quando se roda o punho do acelerador, o motor arranca outra vez. 
A sua utilização é muito suave e fácil, graças ao alternador/motor de arranque e ao mecanismo de retorno da cambota que a recoloca na posição de ponto-morto superior antes da admissão e ao mecanismo de descompressão que anula a resistência ao arranque provocada pela própria compressão do motor. Este sistema também consegue "ler" o estado de carga da bateria e desativa-se automaticamente para evitar descarregá-la em demasia.  

Um dos objetivos originais da Forza 125 é que os reabastecimentos sejam apenas realizados uma vez por semana, para uma utilização normal. 
A economia do motor eSP oferece quase 500 km de autonomia por cada depósito de 11,5 litros de combustível, graças aos seus reduzidos consumos de apenas 2,34 l/100 km (42,7 km/l) (em modo WMTC).

A jante dianteira de 15 polegadas em alumínio fundido tem montado um pneu 120/70-15 56P e a jante traseira de 14 polegadas monta um pneu 140/70-14 68P, oferecendo o máximo conforto e tração. A travagem dianteira fica a cargo de um único disco de 256 mm, complementado atrás também por um disco, neste caso de 240 mm e ambos com ABS de dois canais para maior segurança nas superfícies escorregadias.
A Forza continua a ser produzida na ultramoderna fábrica de Atessa, em Itália e vai estar disponível nos seguintes esquemas cromáticos: 

- Vermelho Metalizado Mate Carnelian/Preto Pérola Nightstar (novo para 2018); 
- Branco Pérola Mate Cool/Cinzento Metalizado Mate Cynos (novo para 2018);
- Prata Metalizado Mate Lucent/Azul Pérola Mate Pacific;
- Cinzento Metalizado Mate Cynos/Cinzento Metalizado Mate Carbonium,
- Preto/Cinzento Metalizado Mate Cynos.


Está disponível toda uma gama completa de acessórios para a Forza 125:

- Top case opcional de 45 litros compatível com o sistema Smart Key;
- Porta-bagagens traseiro (instalação direta),
- Bolsas interiores,
- Punhos aquecidos,
- Alarme. 


Especificações técnicas
Motor - Monocilíndrico a 4 tempos, 4 válvulas, SOHC, refrigeração líquida;
Cilindrada - 125 cc;
Potência - 15 cv ás 8.500 rpm;
Binário - 12,5 Nm ás 8.250 rpm;
Alimentação - Pgm-FI Injeção eletrónica de combustível;
Transmissão - Embraiagem Automática, centrifuga, tipo V-Matic;
Consumo de combustível - 2,3 Litros/100km (dados do fabricante);
Quadro - Tubular em aço;
Dimensões
Comprimento - 2,140 mm;
Largura - 755 mm;
Altura - 1,470 mm;
Altura do assento - 780 mm;
Altura ao solo - 145 mm;
Suspensão 
Dianteira - Forquilha telescópica de 33mm;
Traseira - Duplo amortecedor;
Pneus
Dianteiro - 120/70-15 56P;
Traseiro - 140/70-14 68P;
Travões
Dianteiro - Disco de 256 mm;
Traseiro - Disco  de 240 mm;
Depósito do combustível - 11,5 Litros
Peso (em ordem de marcha) - 162 kg (ABS)

Fonte: Honda Portugal